7 livros para ler junto com os netos nas férias de final de ano

Postagem atualizada em: ㅤ

Netos são uma delícia, netos são filhos feitos só de açúcar, netos são o nosso assunto favorito…quando são bebês a gente embala, afaga, mima, abraça e morre de rir com suas gracinhas. Mas os bebês crescem e um dia você se dá conta de que conversar com eles vai exigir mais do que frases feitas só de adjetivos fofos e deslumbrados ou de mensagens recheadas de coraçõeszinhos!

Eles crescem. Estive com meus netos na Califórnia e me surpreendi com os livros que estavam lendo. Sim, eles crescem.

A boa notícia é que continuam gostando de histórias. Meu neto, depois de ler Grenade sozinho, em inglês (quanto orgulho desse menino tão esperto!), queria que eu lesse tudo de novo, um capítulo por noite. Noites que iam até tarde, com direito a comentários e algumas explicações. Vovó, aconteceu assim mesmo na guerra? Vovó, você conhece Okinawa? Vovó, em Okinawa eles guardam a alma das pessoas mortas nas fotografias?

A leitura conjunta de avós e netos conecta gerações

Grenade é o segundo livro de Alan Gratz, autor do best-seller, Refugiados, que já tem tradução no Brasil, pela Galera.

Estamos em Okinawa, 1945. Dois garotos em lados opostos da guerra. Ambos precisam se haver com o medo, as ideias e fantasias que trazem como heranças, um inimigo onipresente e aterrorizante. Não faltam aventuras, não falta emoção, tudo construído pelo autor com cuidado e delicadeza. Sobretudo, sem condescendências. São mais espertos do que imaginamos esses nossos netos! O medo nos distancia, a esperança nos aproxima, é a frase que fecha a sinopse do livro. Nenhum monstro, nenhum bruxo, nenhuma metamorfose mágica. Só o viver inimaginavelmente duro da guerra e os laços de humanidade que nos redimem. Para mim, uma beleza de experiência ler algo assim com meu neto!

Lemos juntos também as aventuras de Percy Jackson e os Olimpianos, de Rick Riordan, que, aliás, chegam aos streamings como série nesse final de ano. A genialidade do autor é colocar uma camada invisível de mitologia grega sobre os Estados Unidos de hoje, mas já avisando que Times Square é um cenário arbitrário, as deusas e deuses antigos bem poderiam habitar qualquer lugar do planeta. Comece pelo início: O Ladrão de raios. Os cinco livros da série foram publicados numa caixa pela Intrínseca.

E agora? O que vamos ler em seguida?

Na lista das próximas aventuras literárias coloquei Por um triz, de Michel Gorski e Silvia Zatz, publicado pela Rocco. As aventuras de  Ana Rendel e Tadeu Max, cujas histórias se desenrolam com 71 anos de distância, envolvem um diário de couro, gnomos de hospital, coincidências misteriosas e elementos inusitados que povoam cenários corriqueiros, contemporâneos, como o Museu da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.  OK, alguns museus dão arrepios…

Também queria ler com eles (tenho uma neta, a Nina), Persépolis, a HQ de Marjane Satrapi. Lembro da minha emoção quando li a história da garota de 10 anos que do dia pra noite se vê obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula esvaziada de meninos. Publicado em 2007 com tradução de Paulo Werneck, pela Cia das Letras, o livro ainda é tão inacreditavelmente atual. Marjane, nascida numa família moderna e politizada, em 1979 assiste ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita. Nada de bruxas e monstros por aqui, mas, cá prá nós, eles não fazem falta na história….

3 indicações de um expert em livros

Fui falar com meu amigo, Pierre Ruprecht, diretor-executivo da SP Leituras – Associação Paulista de Bibliotecas e Leitura, em busca de ideias. Claro, recebi indicações preciosas. Vejam só:

A mulher da guarda, de Sara Bertrand. A neta do Pierre leu aos 12, curtiu: misterioso e muito bem escrito e ilustrado.

Sonho de uma noite de verão, o clássico de Shakespeare sobre amores e enganos na interpretação nada ortodoxa de Adriana Falcão.

Labirinto, uma HQ de Tiago Souto, publicado pela Dark Side Graphic Novel, por si só uma garantia de edição primorosa. Fiquei bem curiosa com essa história das aventuras do menino chamado Nico (o nome do meu neto, vejam só) e de um personagem estranho, Góreck, num mundo bizarro e labiríntico. O Pierre garantiu: é maravilhoso!

Eles crescem e nós crescemos com eles. Vamos aproveitar a folga do final de ano e ler juntos? Depois me contem aqui nos comentários o que acharam das leituras?



Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *